Neurociência: A Relação Entre Biologia e Comportamento

Quais são os motivos por trás das interações humanas em situações sociais? Como as pessoas se comportam em grupos? Os processos biológicos podem fornecer pistas sobre como as pessoas fazem escolhas na área financeira? A neurociência social centra-se em questões como essas e avançou para explicar a complexa relação entre a biologia e o comportamento.

Neurociência

Compreender como as pessoas processam informações sociais é uma área importante de pesquisa para os neurocientistas sociais. Estudos de imagem cerebral mostram que as pessoas respondem de forma diferente a outros membros de seu próprio grupo social do que para estranhos. Esta pesquisa apóia a importância da informação social na forma como as pessoas interagem com o mundo ao seu redor.

Outras pesquisas indicam que as interações sociais podem ser gratificantes, especialmente entre as mulheres. Neurocientistas analisaram os cérebros das mulheres enquanto jogavam um jogo colaborativo. Quando os jogadores cooperavam, os pesquisadores observaram a ativação em partes do cérebro relacionadas a recompensa. Estudos posteriores realizados com os homens tiveram um resultado um pouco diferente. Seus mecanismos de recompensa foram mais ativados quando eles tiveram a oportunidade de punir os jogadores que estavam errando. Pesquisa semelhante está estudando os benefícios e bases biológicas dos conceitos sociais de generosidade, empatia e justiça social, tanto em pessoas como em animais.

O Hormônio do Social

A química do cérebro desempenha um papel na modificação de comportamentos sociais. Os pesquisadores descobriram que o hormônio oxitocina é importante em alguns comportamentos sociais. Liberado pela glândula pituitária, a oxitocina tem sido conhecida por seu envolvimento no parto e em ajudar as mães a criarem vínculo com seus bebês. Seu impacto sobre os comportamentos sociais, no entanto, só recentemente se tornou aparente.

Um estudo descobriu que ratos incapazes de produzir oxitocina não conseguia mais reconhecer os ratos que tinham encontrado anteriormente, mas quando a oxitocina foi injetada na amígdala, a parte do cérebro responsável pelo processamento deste tipo de informação, a capacidade dos ratos de se envolver socialmente foi restaurada. Outro estudo relatou que crianças com autismo têm baixos níveis de oxitocina. Embora as causas do autismo sejam variadas e complexas, isto sugere que a oxitocina pode desempenhar um papel importante.

Com base neste trabalho, outros pesquisadores verificaram que a oxitocina aumenta a confiança em uma situação financeira. Em um jogo que testou a confiança, os participantes que inalaram a oxitocina investiram mais dinheiro do que aqueles que inalaram uma substância inativa. Além disso, estudos de imagem cerebral sugerem que, mesmo depois que sua confiança havia sido violada, os investidores que haviam inalado a oxitocina não mostraram sinais de medo, e não diminuíram seus investimentos. Decisões econômicas, decisões feitas por indivíduos em um ambiente social, e decisões tomadas por grupos são todas estudadas por neurocientistas sociais.

O Stress na Vida Cotidiana

Os neurocientistas também monitoraram os efeitos de construções sociais, tais como status socioeconômico e stress crônico. A pesquisa mostrou que vivem em um estado de estresse crônico pode prejudicar o hipocampo, que é fundamental para o aprendizado e a memória. O stress crônico também tem sido associado a uma série de doenças, incluindo hipertensão arterial, endurecimento das artérias e distúrbios abdominais.

Estudos com babuínos estão ajudando pesquisadores a compreender melhor o stress social. Como as pessoas, os babuínos vivem em grupos sociais e gastam muito tempo interagindo. Muitas dessas interações geram stress, em grande parte construída em torno de competição por posição social.

Em geral, entre os babuínos em uma hierarquia de dominância estável, animais com nível social mais baixo são mais estressados, indicado pelo aumento dos níveis de hormônios do stress. E enquanto babuínos com nível social mais alto são geralmente mais relaxados, os machos alfa são a exceção – são marcadamente mais estressados ​​do que os seus pares.

A posição social não é o único fator que determina os níveis de stress em babuínos. A personalidade é importante também. Aqueles que são isolados ou entendem atividades sociais, mesmo benignas, como um rival dormindo por perto, como uma ameaça, são mais estressados ​​- e menos saudáveis em geral.

Estudos de neurociência sociais como estes estão ajudando a descobrir porque nos comportamos da maneira como fazemos. Apesar de ainda ser um campo relativamente novo, a neurociência social está ilustrando a ligação indissolúvel entre o cérebro, a mente, as interações interpessoais e o corpo.

Via Brain Facts

3 Exemplos de Como Aumentar Suas Conversões

Otimizar a taxa de conversão não envolve apenas landing pages e testes A/B.  Aqui estão três exemplos para inspirá-lo na sua busca por conversões online.

Em 2010, a 37signals (Basecamp) decidiu testar uma variação de sua homepage de forma que respondesse as perguntas mais frequentes de seu público. A ideia era simples – eliminar o ponto de atrito, tornando a informação mais acessível e visualmente impactante. Em vez de serem obrigados a garimpar o site para obter informações, os prospects poderiam encontrar o que eles precisavam rapidamente. Resultado: Um aumento de 14% nas conversões, definida como cliques para a página de inscrição.

Basecamp

Apesar do consumidor de hoje estar acostumado com o autoatendimento, em um determinado momento ele vai precisar de ajuda. A empresa Intuit descobriu por meio de seus canais de atendimento que eles tinham um grande problema. Os usuários estavam comprando seu software, mas o produto não correspondia às suas necessidades. A equipe de marketing da Intuit determinou que sua as páginas Confirmar Pedido e  Comparar Produtos, eram as melhores páginas para otimizar como eram as páginas com maior intenção de compra. Então eles implementaram uma solução de chat para ajudar os clientes com suas dúvidas sobre o produto e assim conseguiram aumentar as conversões qualificadas em 211%.

A combinação desses três fatores é extremamente valiosa para conversões:

  1. Não ser spam
  2. São visualmente atraente
  3. Promover produtos que as pessoas realmente querem

A Gardener’s Supply Company (equipamentos e roupas para jardinagem) gera um tráfego significativo através da mídia social. O que foi frustrante, no entanto, é que o tráfego do Pinterest não convertia em compras. Então eles usaram uma plataforma de mensagens em tempo real para se engajar com os usuários e converter o tráfego do Pinterest, eles então davam boas vindas a esses usuários, isso rendeu um aumento de 3 vezes mais conversões.

Gardeners-Supply-Company

Esses três exemplos mostram como o Marketing Online é nada mais nada menos que o velho e bom Marketing, a vantagem aqui é que podemos medir os resultados de nossas campanhas em tempo real.

Via unbounce

Como Aumentar a Conversão de Leads

Provavelmente você tem uma lista de e-mails, certo? Se você tem é porque você já sabe que o e-mail é o principal canal para transformar leads em clientes. Ok, mas como devemos agir para aumentar a conversão de leads?

Metodologia do Inbound Marketing

Como você pode ver na Metodologia do Inbound Marketing, enquanto as mídia sociais e blogs são ótimos para gerar a consciência da sua marca e atrair a atenção, o e-mail é melhor quando se trata de qualificar leads e convertê-los em clientes. Em uma pesquisa recente da Econsultancy, o e-mail foi classificado como o canal que traz o máximo de ROI.

ROI Ratings

68% dos profissionais de marketing avaliaram o e-mail como bom ou excelente. Portanto, agora sabemos que as mídias sociais e os blogs são ótimos para gerar consciência, e que e-mail é grande para qualificar os leads e transformá-los em clientes. No entanto, como você pode transformar esses prospects que você encontra nas mídias sociais ou através de seu blog em uma lista de e-mails?

Basicamente, você precisa ofertar algo de grande valor ao seu público, em troca de suas informações de contato (geralmente o nome e o e-mail). Pode ser um e-book, uma série de vídeos, um webinar, um aplicativo gratuito, o código de um cupom, amostras grátis, estudos de caso ou qualquer outra coisa que possa ser percebida como de alto valor por seus clientes potenciais.

Você pode pedir às pessoas essas informações pessoais para que elas possam receber o seu newsletter, mas você vai precisar entregar um grande conteúdo nesse boletim. As pessoas estão sobrecarregados por informações. As pessoas não vão entrar na sua lista de e-mail, a menos que você lhes dê uma razão.

Menos de 3% dos visitantes de uma página de vendas compram o produto ou serviço ofertado. O que acontece com os outros 97%? Eles provavelmente saem do seu site e nunca mais voltam. Se você está gastando dinheiro em publicidade, então você sabe como isso pode ser irritante. Você dirige mil pessoas para sua página de vendas e apenas 20 delas compram. Isso não é bom o suficiente. A melhor maneira de melhorar isso é ter uma página onde você oferece algo que é altamente valorizado.

Uma coisa que você deve saber é que você pode oferecer esse conteúdo e ainda não conseguir melhorias nos cadastros de e-mail. A chave aqui é criar algo que os seus clientes potenciais realmente fiquem mais do que felizes em dar seus endereços de e-mail em troca. É preciso levar dois componentes em consideração: assunto e meio.

Assunto

O assunto que você vai abordar deve ser algo que ofereça ajuda para resolver um determinado problema ou superar um obstáculo que as pessoas enfrentam. Algo que ajude as pessoas a economizar dinheiro, ganhar dinheiro, perder peso, ganhar tempo, e etc. Determinar o maior problema do seu público é ter a certeza que a maioria deles estará interessada no assunto, no seu conteúdo. Assim você terá maiores taxas de conversão.

O tema deve ser sempre sobre um grande problema que seus clientes potenciais estão enfrentando. Quanto maior for problema, maiores serão as conversões. Cada ação que você deve tomar para melhorar o seu negócio deve ser baseada em dados e feedback, a maneira correta de fazer isso é perguntar a seu público qual o maior desafio no seu segmento.

Verifique quais são suas páginas mais populares (no blog, no site) ou o post nas redes sociais que teve maior engajamento. Assim você vai saber quais os assuntos que interessam a seu público.

Meio

O meio é o formato, se será um texto (e-book), uma apresentação (vídeo, podcast, webinar), um software (apps) ou uma reunião (consulta gratuita). O assunto apenas não é suficiente para atrair clientes potenciais. Você pode ter um tema campeão, mas as pessoas não vão baixá-lo, porque é um e-book de 200 páginas e elas simplesmente não têm tempo para ler tudo isso.

A melhor maneira de saber é novamente, perguntando. Você pode fazer uma pesquisa simples para saber como seu público gostaria de consumir seu conteúdo. Apresente as opções e pergunte a eles.

Via StuartJDavidson